Swift

O comunismo de ponta cabeça do Brasil


Na hipocrisia que é e constitui o Brasil, vivemos um comunismo de ponta cabeça. Mas espere lá, já volto a isso.

Desde o golpe de 2016 descerram-se as máscaras que engoliam em silêncio décadas de avanços sociais e o avanço, ainda que pequeno, mas gradual da qualidade de vida dos mais pobres, esse sim o principal fator da construção da ojeriza à esquerda e à intelectualidade, principalmente um antipetismo raivoso, que na verdade sempre existiu, mas foi "protegido" em silêncio por algum tempo.

Mas enganam-se os que pensam que isso seja algo novo, Érico Veríssimo ao esboçar os anos 50 e 60 em seu Incidente em Antares nos mostra as mesmas lutas e golpes de agora. Tudo fruto de uma elite atrasada e arraigada demasiadamente em seus privilégios históricos, que quando ameaçada, lança suas campanhas contra o comunismo evocando um verde-amarelo de um nacionalismo excludente, autoritário e violento.

E as bases para isto sempre são visíveis aos com olhos argutos e minimamente críticos. Nesse país a elite é de fato uma elite, um grupo mínimo que não encheria uma pequena cidade deste país. Bilionários e milionários espertos que conseguem há muito tempo alienar e manipular uma classe média que muitas vezes pensa pertencer a esta mesma elite. Pior ainda, há nesse país até mesmo pobres que julgam-se fazer parte de uma nata social. Mas isso não passa de embuste de péssima qualidade que dá certo por alguns fatores peculiares de nossa sociedade.

O principal é que temos em sua grande parte uma classe media iletrada e muito mais ignorante que os pobres quais eles adoram tachar de ignorantes. Trata-se de uma classe média que pagou boas escolas, e não raro pagava a bolsistas para lhes fazerem trabalhos ou ajudar em colas de prova. Uma classe média preocupa geralmente com a entrada na faculdade, mas não com o caminho a ser percorrido até lá. estou errado? Não conheço pobres que possam pagar esquemas de até R$ 100.000 para burlar um Enem ou vestibular. Nossa classe média interessa-se apenas pelo espaço que ocupam, e por isso fazem guerra com qualquer "ameaça" de ter de partilhá-los. Isso vinha ocorrendo nas décadas que antecederam o golpe... Mas voltemos a iletrada e inculta classe média brasileira que "adora" a Europa, mas tem comportamento provinciano. Vejamos, por exemplo, a questão da leitura nesse país, quase nada, pois se o pobre muitas vezes não lê por falta de dinheiro ou estímulo, a classe média em sua grande parte não o faz "para não perder tempo". Poucas são as casas da classe média desse país que possuem livros, e arrisco-me a um chute, das que possuem, provavelmente são de seus integrantes de pensamento mais progressista.

Bem, era preciso dizer isso para falar que esses são alguns fatores que levam à alienação e a falsa sensação da classe média pertencer à elite. Assim como os pobres, recebem de volta migalhas, e contentam-se com isso. Aliás, isso quando não assumem calados os resultados de suas "cagadas" como o aumento do custo de vida que se percebe após o golpe. E sem essa de dizer que inflação caiu, esta a maior "fake news" tupiniquim-estatal. Bom, em síntese, temos portanto essa classe média ferrenha, que assim como Quixote brigava contra dragões, jura ser a elite nacional... Mas o que teria isto a ver com comunismo de ponta cabeça?

Você até nem precisa ser um grande leitor, um culto erudito para ver que nessa papagaida toda de golpe se construiu uma luta contra o comunismo no Brasil. Isso é perceptível, o que os iletrados-incultos não perceberão é que além de fantasioso, essa é tática surrada, mas que graças à ignorância da classe média brasileira, funciona quando é preciso, e ela se volta contra a ameaça comunista, e começa a gritar "Estado Mínimo". Na verdade é quase isso, pois na prática o que se postula é "o Estado para o mínimo". Para as elites e sua periferia.

Esse é o verdadeiro comunismo do Brasil. O comunismo de ponta cabeça. O comunismo que partilha o Estado entre nossas elites e suas partes periféricas. Desde o golpe convivemos com "as reformas" que na prática retiram direitos sociais dos mais pobres para se partilhar entre os mais ricos. No Brasil, nossas elites são dependentes do Estado, o elogiado sistema privado vive quebrando a espera de subvenções estatais que sempre lhes chegam aos Bilhões. Nossa matriz tributária calcada no consume achaca o assalariado, mas proporcionalmente mal toca a elite, tira uma nesga da classe média, esta que ainda obtém suas reparações. Nesse país ojeriza-se o Bolsa-Família, mas ninguém discute vantagens faraônicas de um judiciário questionável, privilégios de militares, ou mesmo os suntuosos benefícios de políticos aliados. Para essa classe média iletrada o problema é o petismo, o lulismo e a corrupção, enquanto jantam felizes elogiando Michel Temer, Padilha, Aécio e tantos outros canalhas de provas incontestes, mas que sequer são julgados.

Enfim, concordo que vivemos a ameaça comunista, dos comunistas de ponta cabeça, que proclamam aquilo que fazem diametralmente opostas. Nesse comunismo de ponta cabeça, nós pobres, financiamos os cofres de nossas elites, que por acaso também é conhecido como Estado Brasileiro.

Outros Posts interessantes

0 comentários

Flickr Images